Papa

PAPA FRANCISCO I

 


Jorge Mario Bergoglio, nascido em Buenos Aires, na Argentina, é um dos cinco filhos de um casal italiano. Formou-se químico, mas, posteriormente, escolheu o sacerdócio. Depois de estudar no seminário de Villa Devoto, entrou para o noviciado na Companhia de Jesus, em 11 de março de 1958. Obteve licenciatura em filosofia no Colégio Máximo San José, cidade localizada nos arredores da capital argentina, e então ensinou literatura e psicologia no Colegio de la Inmaculada, em Santa Fé, e no Colegio del Salvador, em Buenos Aires. Em 1963, estudou humanidades no Chile, retornando posteriormente a Buenos Aires.


Foi ordenado sacerdote em 13 de dezembro de 1969, por Dom José Ramón Castellano. Frequentou a Faculdade de Filosofia e Teologia de San Miguel e atingiu o posto de mestre de noviços no local, onde se tornou professor de teologia.

 

Devido às habilidades de Jorge Mario Bergoglio, a Sociedade de Jesus promoveu o religioso e ele passou a coordenar uma província na Argentina de 1973 a 1979. Em 1980, ele foi transferido para se tornar reitor do seminário de San Miguel, onde tinha estudado, e seguiu nessa função até 1986. Em seguida, completou sua tese de Doutorado na Alemanha e voltou para sua terra natal para servir como diretor espiritual e confessor em Córdoba.


Em 20 de maio de 1992, foi nomeado bispo titular de Auca e auxiliar de Buenos Aires pelo Papa João Paulo II. Em 27 de junho do mesmo ano, recebeu a ordenação episcopal na catedral de Buenos Aires das mãos do cardeal António Quarracino. Desde 1998 tem atuado como arcebispo de Buenos Aires, cargo ao qual foi nomeado em 1997, e, em 21 de fevereiro de 2001, foi chamado pelo Papa João Paulo II à Cidade do Vaticano e nomeado cardeal-sacerdote de Saint Robert Bellarmino, igreja romana fundada pelo Papa Pio XI em 1933.


Como cardeal, Jorge Mario Bergoglio foi nomeado para vários cargos administrativos na cúria romana. Ele serviu na Congregação do Clero, Congregação para o Culto Divino e dos Sacramentos, Congregação dos Institutos de Vida Consagrada e na Congregação das Sociedades de Vida Apostólica, além de tornar-se membro da Comissão de América Latina e do Conselho de Família. Também se tornou conhecido por sua humildade, conservadorismo doutrinário e compromisso com a justiça social. Sempre teve um estilo de vida simples: vivia em um pequeno apartamento em vez da residência palaciana do bispo, desistiu de sua limusine com motorista em favor do transporte público e sempre preparou suas próprias refeições.


Após a morte do Papa João Paulo II, em 2 de abril de 2005, participou do conclave papal como um dos cardeais eleitores, que resultou na eleição do Papa Bento XVI. Na época, muitas notícias publicadas após a eleição afirmavam que ele disputou o cargo de Papa com Bento XVI, tendo 40 votos no terceiro escrutínio e 26 no quarto e decisivo escrutúnio. No mesmo ano, durante o Sínodo dos Bispos, foi eleito membro do conselho pós-sinodal e, em 8 de novembro de 2005, Bergoglio foi eleito presidente da Conferência Episcopal Argentina para um mandato de três anos (2005-2008), obtendo a maioria dos votos dos bispos argentinos. Ele foi reeleito em 11 de novembro de 2008.


Em 13 de março de 2013, apenas treze dias após a renúncia do Papa Bento XVI, foi eleito o novo Papa na 5ª votação do conclave e tornou-se o primeiro latino-americano a ocupar o cargo. Desde então, passou a usar o nome Francisco, em referência a Francisco de Assis. Ao todo, 116 religiosos participaram do conclave e Francisco I é o 226º Papa da história do catolicismo.